domingo, 25 de maio de 2014

Partido do choque de gestão


O senador Aécio Neves (PSDB-MG), candidato do partido à Presidência da República,  defende a liberdade de impressa, mas não defende a liberdade da população se informar. A Justiça de São Paulo negou seu pedido de bloqueio  de pesquisas na internet que relacionam seu nome ao “uso de entorpecentes” e desvio de dinheiro público durante sua gestão como governador de Minas Gerais. Mais informações aqui


Para quem acompanha e no caso acompanhava a página no Facebook intitulada Aécio Never, viu que ela foi constantemente ameaçada, tirada do ar, enfim, perseguida... Sendo que era irônica, mas baseada nas reportagens da grande mídia. 

O choque de gestão para seu partido é dizer que vai fazer algo para melhorar a gestão e não cumprir. Um exemplo é o tratamento que seu colega de partido Anastásia, governador de Minas Gerais faz com professores. O adicional de desempenho não foi pago para a categoria de professores (segundo o vídeo realizado em 2013). E Aécio também deixou sua marca na educação, quando governador do estado de Minas Gerais de 2002 até 2010. 

Esse vídeo abaixo feito por Beatriz, ligada ao sindicato denuncia a situação dos professores na rede estadual de Minas Gerais. Uma parte da descrição do vídeo:

Incomodados com a atuação do Sind-UTE/MG, amigos do senador Aécio Neves fizeram um vídeo em que chamam Beatriz Cerqueira de mentirosa por afirmar que o governo do Estado nunca pagou adicional de desempenho. 

Mas, a coordenadora-geral do Sindicato reafirma que, em 2003, o então governador, Aécio Neves, fez uma reforma administrativa e retirou dos novos concursados o direito a quinquênio e trintenário e propôs o adicional de desempenho, parcela fixa no contracheque. Mas este adicional não foi pago para a educação. No entanto, os autores do vídeo afirmam que a categoria recebia o "novo quinquênio" até 2011. "É muito simples esclarecer essa questão. No vídeo que postamos agora, diversos professores falam que jamais receberam esse adicional de desempenho e é essa a realidade de hoje."




Nenhum comentário:

Postar um comentário